piao claro 3
colar garrafa 1
a4
a3
14
20
a2
a1
mar emoções 3
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica e lustre
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
aquarela na cerâmica
nerikomi
nerikomi
IMG_0704
IMG_0707
IMG_0701
IMG_0350 (1)
IMG_0354 (1)
IMG_0355 (1)
IMG_0244
IMG_0242
IMG_0254
IMG_0283
IMG_0363 (1)
IMG_0366 (1)
IMG_0370 (1)
IMG_0271
WhatsApp Image 2019-03-05 at 11.12.27
2014 174
WhatsApp Image 2019-03-05 at 11.12.28
maio 2017_-6
maio 2017 -30
2017 10
maio 2017 -21 copy
2017 9
maio 2017 -22 copy
maio 2017 - 31
maio 2017 - 29
13nov16  int -67
2014 169.jpg
2014 164.jpg
2014 147.jpg
2014 146.jpg
2015-33.jpg
DSC_0484.jpg

Libertação 2017

libertação 10.jpg
libertação 3.jpg

Ilhas Solitárias 2018

ilhas 3.jpg
ilhas 4.jpg
ilhas 1.jpg

Caverna 2018

caverna 1.jpg
caverna 2.jpg
caverna 3.jpg

Mulher 2018

mulher 2.jpg
mulher 1.jpg

Confluência 2017

cis 2.jpg
cis 3.jpg

Mar de Emoções 2018

mar emoções 2.jpg

No dia a dia do ateliê, partilhamos muitas dores e alegrias, risadas e lágrimas.
Somos 100 mulheres vivendo um turbilhão de sentimentos. 

Instalação em cerâmica
Produção coletiva realizada com as alunas do Ateliê de Cerâmica Luciana Thomaz, idealizada e coordenada por Flavia Pircher

Kathársis 2021

Katharsis 1.jpg

Catarse é a purificação dos espírito através da purgação do que é estranho à essência do ser. 

 

Depois do COVID muita coisa mudou. 

 

Ao serem obrigadas ao confinamento as pessoas se depararam consigo mesmo, e um processo doloroso de auto conhecimento teve início. Para alguns foi libertador, para outros nem tanto.

 

O fato é que ao nos exergarmos nos deparamos com nossas próprias deformações. Se antes nos exergavamos perfeitos (talvez porque não nos víamos de verdade, mas apenas passávamos o olhar de relance, sem nos ater aos detalhes).

 

Agora todos vivenciamos um pouco do amargor de Dorian Gray quando se viu diante do espelho. Desespero para alguns, alegria para outros, para mim foi constatação de que somos defeituosos (graças a Deus), e a auto aceitação se tornou minha tarefa: me perceber como realmente sou, enxergar as deformidades, mudar o que for possível e necessário, aceitar o que não há como ser mudado, e ter paciência e sabedoria pra diferencia uma da outra.

 

 

Essa escultura concretiza minhas reflexões no período que tive covid e fiquei isolada da família.

 

Ela também marca meu retorno à técnica do acordelado, que tinha sido “abandonada” por anos (desde que comecei a tornear). E foi resgatada no Japão, na convivência com minha sensei Mieko Sagisaka. Lá mergulhei no acordelado e revisitei essa técnica. Me aprofundei nos princípios mais básicos da modelagem manual. Voltei ao princípio . Assim como nos dias de covid voltei ao meu íntimo e me reencontrei.